Irlanda Amordaçada

Pedro Arroja, no Portugal Contemporâneo, põe em causa a virtude do ranking de liberdade de imprensa feito pelos Repórteres Sem Fronteiras. O ranking não é válido por ser fundamentado em questionários feitos aos jornalistas de cada país. Para ser válido, ensina-nos Pedro Arroja, teria que ser feito pelas mesmas pessoas em todos os países.

Sendo assim, a tese de Pedro Arroja mantém-se válida por falta de prova em contrário: “não existe liberdade de expressão na Irlanda, a censura está institucionalizada e as leis do país limitam severamente a liberdade de imprensa, penalizando fortemente os infractores.“

Os jornalistas irlandeses consideram-se livres, mas como é óbvio, a opinião obtusa dos jornalistas irlandeses não tem qualquer valor perante a tese bem fundamentada de Pedro Arroja sobre a liberdade dos jornalistas irlandeses. ###

Capitulei neste debate, como PA bem demonstra, adoçando a declaração da minha derrota com uma simpática nota de conforto, que minorou o desgosto. Eu apreciei, porém, o esforço do JCD. Os argumentos contestam-se ou com outros argumentos, desde que sejam racionais e fundados, ou com evidência empírica – não perseguindo ou lançando a infâmia sobre seu autor. Muito bem. Falhou desta vez. Mas, se persistir, vai conseguir numa próxima.

Tenho que reconhecer a força do argumento. A verdade é que perante a evidência empírica da opinião de Pedro Arroja sobre esse país amordaçado, a Irlanda, não arranjei mais do que opiniões teóricas de gente pouco esclarecida.

Numa coisa o Pedro tem razão. Vou persistir. Se é já óbvio que jornalistas irlandeses não têm qualquer capacidade para atestar a liberdade de imprensa dos jornalistas irlandeses, vamos às alternativas. De momento, concentro a minha pesquisa sobre a liberdade de expressão no gulag irlandês, em fontes mais credíveis, os condutores de TIR da Mongólia. Se não for suficiente, recorro a um corpo de Janízaros de Basra. Ainda tenho em carteira um grupo cujos conhecimentos empíricos ninguém vai por em causa, os desempregados bielorussos.

Até a minha pesquisa estar completa, resta-me proclamar o meu grande alívio por não ser irlandês. O Blasfémias seria proibido nessa ditadura impiedosa. Garante alguém que sabe mais sobre a liberdade na impiedosa Irlanda que os irlandeses: “Do debate no Blasfémias, fica a conclusão de que a Irlanda consagra a censura constitucionalmente e pratica-a institucionalmente. E que uma das ofensas mais graves é precisamente a blasfémia, permitindo inferir que o Blasfémias seria proibido na Irlanda e que alguns dos seus membros, pelo menos, estariam na cadeia.”

Pobre Irlanda. Um país amordaçado. Que sofrimento. Quem me arranja um Jameson, duplo?

Anúncios

Publicar um Comentário

Required fields are marked *

*
*

%d bloggers like this: